10/07/2016

O CORPO É O PONTO ZERO DO MUNDO

“O corpo é o ponto zero do mundo” (p.14), diz-nos Foucault; o corpo é o ponto de onde pode se dizer eu sonho, eu falo, avanço, imagino, percebo e nego as coisas que percebo e que imagino. Ele é um ponto nulo, um sem-lugar a partir do qual se irradiam todos os lugares possíveis, reais ou utópicos, homotopias, heterotopias e utopias. Assim, “[t]odas aquelas utopias pelas quais eu esquivava meu corpo encontravam muito simplesmente seu modelo e seu ponto de aplicação, encontravam seu lugar de origem no próprio corpo.” (p.11) Um eterno retorno, do corpo às utopias e de volta ao corpo, um processo de recriação, do corpo utópico ao topos que dá, então, lugar ao corpo e o move, muda, desloca; e “[...] no limite, é o próprio corpo que retorna seu poder utópico contra si e faz entrar todo o espaço religioso e do sagrado, todo espaço do outro mundo, todo o espaço do contramundo, no interior mesmo do espaço que lhe é reservado.” (p.14) Do corpo ao corpo, do pó ao pó. 

REFERÊNCIA

FOUCAULT, Michel. O corpo utópico, as heterotopias / Le corps utopique, les heterotopies. Tradução de Salma Tannus Muchail. São Paulo: n-1 edições, 2013.